quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O que os nutricionistas pensam dos suplementos Herbalife e empresas equivalentes?


Prezada Colega,

Em atenção ao e-mail enviado por V.Sa. em 12/8/03, o qual solicita ao CRN-3 posicionamento atual deste Regional com relação aos produtos HERBALIFE, temos a colocar que:

1) a proposta dessa empresa, como de outras equivalentes, com relação aos produtos chamados de “shakes” (pós para o preparo de bebidas) é que os mesmos sejam utilizados para controle de peso, devido ao reduzido valor calórico, podendo substituir uma ou duas refeições diárias para auxiliar na perda de peso. Porém, quando a intenção é o ganho de peso, o produto pode ser utilizado junto com as refeições habituais;
2) do ponto de vista deste Regional, consideramos que os produtos podem temporariamente atingir os seus objetivos (perda ou ganho de peso), mas não atuam de forma plena no âmago do problema, que seria a reeducação alimentar.
3) a substituição de 2 (duas) das 3 (três) refeições diárias por uma bebida não é um bom hábito alimentar, além de causar brusca ruptura nas práticas alimentares costumeiras dos usuários do referido produto.
4) é importante notar que a perda de peso pode ser obtida com o consumo de dieta de valor calórico reduzido, constituída de variados alimentos e sem o emprego de “shakes”, e sob orientação profissional de Nutricionista.
5) quanto ao preparo, sem dúvida, o substituto de refeição é prático. Mas é imprescindível avaliar praticidade versus monotonia alimentar, considerando ainda outros contextos que envolvem uma refeição “normal”, no que diz respeito às características organolépticas, abrangendo aroma, visual, consistência, sabores variados.
6) Consideramos que o sistema proposto pela empresa para os seus “shakes”, de efetuar substituição parcial ou total de refeições, leva à necessidade de monitoramento técnico de um Nutricionista junto ao cliente, além do que a substituição de refeições, dentre outras intercorrências, ocasiona ruptura do hábito alimentar do cliente, não leva à mudança de comportamentos alimentares e de hábitos de vida inadequados, não visa e nem promove a reeducação alimentar e nutricional do cliente e a assunção de um estilo de vida mais saudável, padroniza as pessoas em termos de ingestão alimentar, energética e de nutrientes, não leva em conta os diferentes tipos de obesidade; não considera os riscos à saúde, freqüentemente associados ao sobrepeso/obesidade, entre eles: hipertensão arterial, hiperlipidemias, hiperglicemia e hiperuricemia, ignora os aspectos sociais, econômicos e psico-culturais dos alimentos e do ato de comer, propõe substitutos monótonos de refeição e, por isso mesmo, de consumo temporário, estimula o estabelecimento do “efeito ioiô”, quando o cliente abandona o substituto de refeições e retorna à alimentação costumeira.
7) Os cardápios balanceados nutricionalmente, variados em sua composição, estimulam a um contato direto com a qualidade sensorial dos alimentos, através das características organolépticas destes (aparência, cor, sabor, odor, consistência).
Dessa forma, gradativamente, poderemos estar inserindo hábitos alimentares corretos, que muito vão contribuir para a plena saúde do cliente. Portanto, a alimentação oferecida deve estar o mais próximo possível do que é habitual/natural, vislumbrando um adulto adequadamente educado do ponto de vista nutricional.

Na revista CRN-3 Notícias, nº 69, saiu este parecer para ciência dos demais profissionais.
Esperando ter atendido à sua solicitação, subscrevemo-nos.

Atenciosamente,
Dra. Solange de Oliveira Saavedra
CRN-3 0054
Gerente Técnica

Fonte: Ofício CRN-3 nº 0170/2003 GT- GA São Paulo, 15 de agosto de 2003

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Gastrite: O que pode e o que não pode.

Alimentos Recomendados:

• Arroz, pão torrado, biscoito e macarrão integrais;

• Leguminosas: feijão preto, mulatinho manteiga;

• Peito de frango, carne bovina magra, subdivididas (desfiadas, picadas e moídas) em preparações do tipo cozidos e assados;

• Peixes como: atum, sardinha e salmão;

• Ovos cozidos, pelo menos três vezes por semana;

• Hortaliças: abóbora, macaxeira, cenoura, abobrinha, beterraba, batata e tomate sem pele;

• Sopa de hortaliças bem cozidas e com pouca gordura;

• Frutas: banana, mamão, maçã, pêra, pêssego e damasco; se não apresentar desconforto gástrico: abacaxi e laranja;

• Chá de camomila, erva-doce e erva-cidreira; hortelã, gengibre e chá verde;

• 1/3 copo de suco de couve e/ou repolho crus, de preferência que seja diariamente;

• Alimentos ricos em vitamina A, E, C, como: óleo de gérmen de trigo, gérmen de trigo, amêndoa, avelã, aveia, lentilha, espinafre fresco, manga, brócolis e castanha do Pará (no máximo duas por dia);

• Leite desnatado, iogurte, ricota e requeijão light;

• Azeite de oliva extravirgem.

Alimentos que devem ser evitados:

• Doces concentrados: goiabada, doce de leite, cocada e geléia;

• Frituras e alimentos (como o pão) preparados com muita gordura;

• Bebidas gasosas e alcoólicas: refrigerante, água com gás e cerveja;

• Café (inclusive descafeinado), chá preto, chá mate, guaraná natural e chocolate;

• Leite e seus derivados em excesso (máximo de duas vezes ao dia);

• Pimenta-do-reino, pimentão, cravo da índia;

• Cubos concentrados de carne/ galinha/ bacon/ legumes e alimentos ricos em purinas: vísceras, sopas prontas, carne de porco, peru e pato;

• Frutas e alimentos ácidos;

• Leite integral e queijos gordos;

• Alimentos embutidos e em conserva.

RECOMENDAÇÕES: Mastigar bem os alimentos e fazer pequenas refeições com mais freqüência (ajuda na digestão). Evitar líquidos em excesso durante as refeições, evitar alimentos excessivamente quentes ou gelados, evitar ficar muito tempo em jejum. No café da manhã use banana cozida, aveia, em flocos e iogurte natural. Nos lanches, prefira os pães integrais light com queijos magros. No almoço e no jantar, dê preferência a arroz com feijão, salada de repolho cru, couve cozida, carne magra e de sobremesa uma fruta. Tomar os chás recomendados a cada quatro horas ao dia.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Campanhas publicitárias de alimentos com baixo teor nutricional terão de alertar o consumidor quanto aos riscos à saúde



A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) prevê mudanças nas campanhas publicitárias alimentícias. As empresas que produzem comidas que tenham baixo teor nutricional, elevadas quantidades de sódio, açúcar e gorduras trans e saturadas deverão alertar seus consumidores quanto aos riscos de ingerir em excesso esses produtos. Doces, salgadinhos sucos instantâneos e refrigerantes, alimentos adorados por crianças e por muitos adultos também, farão parte desta nova regulamentação.
Para a ANVISA esta nova regulamentação garantirá a liberdade de escolha e incentivará a alimentação saudável.
As empresas terão 180 dias para se adequarem às estas novas regras. Após esse período fica proibido o uso de símbolos, figuras ou desenhos que possam causar uma interpretação ambígua quanto à qualidade e a composição dos alimentos.
O alerta deverá ter um local de destaque no comercial (TV, cinema ou impresso). Consta também, que quando na propaganda aparecer alguém (ou algum personagem em animação, por exemplo) falando diretamente para o espectador, este será o responsável por passar o recado, se não, o alerta aparecerá aparecer no fim do comercial.
Algumas entidades que lutam por políticas públicas de proteção a criança discordaram da resolução, pois esta não oferece qualquer tipo de proteção ao público infantil.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Hipertensão: O que pode e o que não pode.

Alimentos Recomendados:

- Carnes magras em preparações assadas, gralhadas ou cozidas;

- Leite/iogurte/coalhada desnatados, queijos brancos;

- Óleos vegetais: soja, canola, azeite, milho, girassol;

- Alimentos ricos em potássio (natriúréticos): feijão preto, lentilha, abóbora, cenoura, chicória, couve-flor, vagem, espinafre, nabo, rabanete, abacate, banana, ameixa, laranja, maracujá;

- Temperos como alho, salsa, coentro, cebola, cebolinha, orégano, limão, louro (pode ser usado no lugar do sal);

- Peixes gordos: sardinha, atum, cavala, arenque, salmão;

- Batata-doce, pão sem sal ou integral em substituição aos pães com sal;
- Alimentos ricos em magnésio (vasodilatador): couve. Salsa, espinafre, gérmen de trigo, pão integral, nozes, amêndoas;

- Semente de linhaça dourada (2 col. sopa/dia): fonte de ômega-3;

- 1 cabeça de alho amassado no azeite de oliva extravirgem: utilizar o azeite no tempero de saladas ou pratos prontos.

Alimentos que devem ser evitados:

- Carnes gordas e frituras;

- Enlatados: molhos de tomate, azeitonas, picles, salsicha;

- Embutidos: lingüiça, mortadela, salame, apresuntado, calabresa;

- Salgados: carne-seca, toucinho, bacon, aves/peixes defumados;

- Caldo de carne, galinha, bacon ou vegetais ou temperos prontos, sopas desidratadas;
- Leite integral ou desnatado em pó, leite/colhada/iogurte integrais, queijos amarelos, cremosos e natas;

- Produtos industrializados contendo sódio: bicarbonato de sódio, fosfato de sódio, glutamato monossódico, hidróxido de sódio, sulfato de sódio, propionato de sódio, ciclamato de sódio e sacarina sódica;

- Estimulantes: café, chá preto, chá mate, guaraná natural, refrigerantes a base de cola (principalmente os dietéticos);

- Antiácidos (sonrisal, sal de andrews, alka-seltzer) e laxantes sem prescrição médica;

- Alimentos dietéticos em excesso.

RECOMENDAÇÕES: Manter peso adequado. Ler sempre o rótulo dos alimentos atentando para a existência de sódio e cloreto de sódio nos mesmos. Usar de 1g a 2g de sal por dia (uma colher de café corresponde a 1g). Incluir no mínimo uma colher de sopa de azeite de oliva nas saladas. Coma peixe de duas a três vezes na semana. Coma bastantes frutas e no mínimo quatro porções de verduras ao dia.

LEMBRE-SE: Você é o maior responsável pela sua saúde, portanto, se você é hipertenso, o tratamento é para o resto da vida.